2012.03.08 Cidade Proibida, Parque Jingshan, roupa de frio e comidinhas

A Cidade Proibida tem mais de nove mil quartos e eu acho que nós fomos a metade deles. A arquitetura do lugar é sempre concisa: três prédios alinhados ao meridiano; um ao Sul outro ao centro e um ao norte, eventualmente ladeado a leste e oeste por uma parede ou, o que é mais comum, uma fileira de cômodos. Ainda assim é fácil se perder.

De almoço arriscamos um prato de frango e uns pães doces (baozi, 包子) recheados com ovo: estava bom. Precisei usar o dicionário no celular: ele está sendo um salva-vidas aqui.

A parte leste da Cidade Proibida cobra um ticket a parte, mas tem uma coleção de objetos bem interessante. É muito coisa para ver em um só dia, mas enfim: vimos :) Ao norte da Cidade Proibida fica o Parque Jangshan que tem uma montanha (shan, 山) feita com a terra retirada na construção do fosso. Eu achei divertido ver o fosso da Cidade Proibida congelado. Pensando bem é meio bobo se divertir com isso, mas como eu nunca tinha visto tanto gelo antes, e ao ar livre, eu gostei.

A quantidade de turistas é enorme, mas nos disseram que estamos na baixa temporada ainda. Mas talvez o clima ameno tenha trazido mais gente para fora de casa: tem feito seis a oito graus, sem muito vento, esta semana. Semana passada teve dia da máxima beirar zero grau. Eu gosto de olhar os turistas, especialmente os chineses. Muitos tem cara de camponeses, ou agricultores, que devem ter economizado bastante para ver a capital. A educação das pessoas de fora da capital é visivelmente menos polida que os moradores de Beijing. Por exemplo: apesar do metrô ser bem cheio o pessoal mantém uma fila, pelo menos fora do horário de pico. Nós pegamos uns senhores que pareciam muito vir do campo e foi uma entrada caótica: os tiozinhos e tiazinhas se empurrando e a gente no meio. Ufa!

Hoje compramos luvas e gorro: tenho quase certeza que pagamos mais que o normal, pois os vendedores fixam preços mais altos para os estrangeiros, que eles chamam de laowai. Depois de negociar por um tempo eu acabei aceitando o preço mas falei para a vendedora que ela estava me fazendo um preço para laowai. Ela disse que chinês paga mais caro que o que eu estava pagando. Acredito? Eheh

Ao final do dia fomos a Avenida Wangfujing para ver as comidinhas das fotos: eu comi arroz agridoce com abacaxi e três baozi (包子) de frango. A Ana Paula arriscou uma raiz de lotus super picante. O jantar de verdade foi um domburi japonês (arroz com refogado de frango ou cogumelo), mas as comidinhas da feira foram legais de se experimentar. Também tinha escorpião, estrela do mar, cavalo marinho, ouriço e outras coisas esquisitas que só se encontra por aqui. A comida cotidiana do chinês não tem essas coisas estranha não, viu?

20120309-070538.jpg

20120309-070603.jpg

20120309-070820.jpg

20120309-070840.jpg

20120309-070920.jpg

20120309-071009.jpg

20120309-071057.jpg

20120309-071124.jpg

20120309-071151.jpg

20120309-071206.jpg

20120309-071224.jpg

20120309-071237.jpg

20120309-071255.jpg

20120309-071326.jpg

20120309-071348.jpg

20120309-071413.jpg

5 Responses to 2012.03.08 Cidade Proibida, Parque Jingshan, roupa de frio e comidinhas

  1. Foi impressão minha ou no meio deste frio todo e neste clima gelado, vi você comendo algo dentro da casca de um “tropicalíssimo” abacaxi?

    • Ahahah… É verdade, Elenice: comi arroz agridoce com abacaxi e uma frutinha em cima. Aliás comi abacaxi na pizza vegetariana do Pizza Hut e em um Frango vegetariano (me garantiram que era vegetariano, mas parecia real).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>