Crítica

Minha opinião sobre um álbum de música, filme, livro, peça de teatro, filme, novela…

O Castelo Animado

Animação japonesa dos mesmos autores de “A Viagem de Chihiro”. Um filme tocando, com um bom estilo de animação. O ponto negativo é que o filme tem quase todos os elementos da história de Chihiro. A própria personagem principal tem expressões parecidas. Fora a semelhança entre os dois filmes, do restante é uma ótima animação cuja trama prende a atenção.

Letra e Música

Sabe aquele comercial do Estadão que avisa que as informações dos blogs não são confiáveis? Pois é. Aconteceu um pequeno mau entendido comigo. Eu vi no blog In Vino Veritas, da minha amiga Bárbara, um video excelente dos anos 80, e eu juro que quase que me convenci de ter ouvindo aquela música no meu rádio despertador na década de 80, quando eu ouvia rádio cidade em baixo da minha cabaninha que ficava no meu quarto. Eu tinha uns cinco anos de idade.

Pois é. Peguei uma comédia romântica com Drew Barrimore e Hugh Grant e eu lá o clipe que saiu no blog da Bárbara. Parecidíssimo, pensei. Um prior de remake! Que nada! Voltei no blog e o clipe está lá, com o Hugh Grant de peruca, que eu óbviamente não reconheci da primeira vez que assisti. Fiz várias pesquisas para encontrar a “música original” que teria sio gravada nos anos 80, e nada. No itunes só trazia a trilha sonora do filme e outra música com o mesmo nome, mas interpretada por Lew Stone e sua banda (um jazz ou coisa parecida).

Bem, mas a culpa não foi da Barbara não. Eu que interpretei as coisas assim. Ela em momento algum disse que o tal clipe é da década de oitenta 🙂

Em relação ao filme: me diverti bastante, como é de costume. A dupla faz um ótimo trabalho no gênero comédia romântica. Recomendo.

O Tigre e o Dragão

Assisti neste sábado ao filme O Tigre e o Dragão pela primeira vez. Eu já tinha visto O Clube das Adagas Voadoras em abril de 2006 e tinha achado muito bom. As cenas de luta são um exagero sim, mas com um quê diferente que me cativou, talvez pelo absurdo que são aqueles pulos pelos telhados e pelos bambus.

Merece as mesmas quatro estrelas que dei ao filme das adagas voadoras.

The General

 

A muito tempo ouvi o Marcelo Tas indicar o filme The General do Buster Keaton em uma rádio de São Paulo. Ontem resolvi conferir o filme e gostei. Esta obra influenciou muito o trabalho do Marcelo Tas, que para mim é o eterno professor Tibúrcio do programa Rá Tim Bum. Pois bem, o professor Tibúrcio foi inspirado no Buster Keaton, ator contemporâneo de Charles Chaplin.

Para quem quiser o filme está na íntegra lá no Google Video, e pode ser baixado para o seu computador 😉

Sou Feia Mas Tô Na Moda


O documentário “Sou Feia Mas Tô Na Moda” mostra interessantes depoimentos dos jovens que participam do movimento do funk carioca. A mais ilustre é a Tati Quebra Barraco, mas o personagem principal deste documentário é a Deise da Injeção. A obra mostra como o movimento funk floresceu na periferia carioca, com reflexões acerca da marginalização que o funk sofre no Brasil que não conhece a periferia.

Interessante contra-ponto é dado quando o documentário mostra o Dj Marlboro dando festas na frança com funk carioca. Nestas festas o funk não é estigmatizado. Segundo Marlboro a discriminação do funk é parecido com aquela sofrida pelo samba, que foi discriminado por anos, até ser finalmente aceito como expressão legitimamente nacional; legitima expressão da cultura brasileira.

Vida longa ao funk carioca!

Incidente em Antares

Demorei muito tempo para ler este livro. Sabe estes livro que você quer ler mas fica enrrolando meses e meses para terminar? Pois bem, a primeira metade do livro é bastante chata. Parece uma tentativa de criar uma novela com fins didáticos, pois a trama se baseia mais nos fatos políticos da Brasil da época.

Bem, a segunda metade do livro são outros quinhentos. O livro deixa de lado picuinhas políticas para se ater a um fantástico incidente. Talvez o livro pudesse ser mais divertido se a primeira parte fosse outra. Ainda assim eu recomendo este livro. É divertido.