arte

Uma Planta, Muitos Chás

Sempre gostei muito de chá. Mesmo morando em Niterói tomava chá quente (e doce). No Brasil existe uma variedade de chás populares, cada um feito de uma planta diferente: camomila, erva-doce, hortelã, mate, cidreira, boldo… Mas no extremo oriente a grande maioria dos chás são produzidos de uma única planta.

É da planta Camellia sinensis que são feitos os chás verde, oolong, preto e o branco. Grosso modo a diferença entre o verde, oolong e o preto é o grau de fermentação. O chá verde tem o mínimo de fermentação, ao passo que o chá preto é bastante fermentado e apresenta uma quantidade bastante alta de cafeína. A produção do chá oolong é feita de modo que as folhas não oxidem demais. Na minha opinião o oolong guarda as melhores qualidades do chá verde e do preto. Do ponto de vista técnico é aquele que tem mais polifenóis, um tipo de substância que seria muito saudável, apesar de não existir uma comprovação científica séria que confirme isso. Enfim, temos o chá branco que é feito com folhas jovens: apesar da pouca oxidação ele tem um pouco mais de cafeína que o chá verde.

Adoçar ou não? Na minha opinião vale a pena adoçar minimamente o chá gelado. Adoçar o chá quente faz que ele fique com um gosto realmente ruim além de mascarar todo o seu aroma. Na verdade eu demorei muito tempo para começar a tomar esse tipo de chá pois eu sempre queria adoçar e ficava ruim. Vale a pena tomar algumas xícaras calmamente até emitir o seu veredito final. Lembre-se que essa é a maneira que se aprecia chá em toda a China, Vietnam, Coréia, Japão… Se um quinto da humanidade aprecia tomar esse tipo de chá ele deve ser bom, né? 😉

Plantação de Camellia sinensis

Felipe com caixa de chá oolongEssa não é uma lista extensiva sobre chás (ainda bem!). Basta clicar no link do chá branco para ver como é extensa a lista de variedades deste chá. Ainda que não seja uma lista extensiva eu acredito que ela cubra uma boa parte daquilo que você vai encontrar a venda no mercado. Existe um chá aromático chamado Earl Grey que é o chá preto com óleo de bergamota. Eu acredito que o earl grey seja muito consumido na Inglaterra. Outro chá ainda menos conhecido por aqui que é feito com uma variação da Camellia sinensis se chama Pu Er (普洱茶). Segundo as impressões que tivemos aqui em casa, este chá tem um aroma mais floral que o verde ou oolong. Mas essa é uma generalização perigosa, pois existe uma gama muito grande de chá pu er, classificados por idade e região, da mesma forma que vinhos. Uma porção de chá seco pode durar muitas décadas sem perder suas características. Em algum momento da história os tijolos de chá (especialmente o preto) foram utilizados como moeda de fato em regiões da China como a Mongólia.

MJ




MJ

Upload feito originalmente por [ R ] igonatti

Esta foto é um tributo do Rigonatti ao Michal Jackson.

Sou um grande fã da música dele, mas ele era um cidadão terrívelmente perturbado. Possivelmente pedófilo, o cidadão MJ representava uma possibilidade real de agressão à crianças e jovens vulneráveis. O cidadão que morreu era esta lástima. Já o artista, esse não produzia mais a arte.

O que é um artista que não produz?

Eu digo que o artista que deixa de produzir é um artista morto.

Há muito tempo perdemos o rei do pop. O que assistimos essa semana é o tombamento do seu corpo.

R.I.P.

Arte Contemporânea

Arte abstrata próximo ao MAC do Ibirapuera

Quando eu morava em Niterói eu fui algumas vezes ao MAC. Foi lá que tive aquilo que considero minha primeira experiência com a arte contemporânea, quando fiquei parado frente a uma única tela por cerca de 45 minutos sem deixar de ver nela novidades.

Acontece que na arte moderna o sentido não está na obra em si. A obra é, na verdade, o objeto que vai sucitar o(s) sentido(s) no observador. E quando nos referimos a uma obra de arte contemporânea de boa qualidade, isso significa que aquela obra é capaz de sucitar muitas experiências em uma mesma pessoa.

Nesse último fim de semana eu estava passeando com minha filha, a Yohanah, pelo parque Ibirapuera, e ela me lembrou como é observar uma obra contemporânea. Foi quando nós passamos por este espaço aí da foto e ela me mostrou um papel, em primeiro plano, e um barco, em segundo plano. Pena que eu, já um pouco mais tapado para estas coisas, não consegui ver o barco. Quem sabe eu aprenda um pouco mais com ela…

Claude Monet

A exposição do impressionista francês Claude Monet estava uma graça. Fui lá dia 15 com o pessoal da minha escola. É verdade que o estilo de impressionismo empregado por Monet em suas últimas obras não são minhas preferidas, mas a expressividade de suas pinceladas é louvável. Para quem perdeu a exposição no Rio, ainda há a chance de ver no Masp, onde outras obras do próprio museu poderão ser vistos. Antes de apreciar as telas de Monet assistimos a um show de slides que mostrava a biografia do pintor fusa à história do impressionismo. Além dos quadros pintados por Monet, a mostra reúne quadros de amigos do pintor como Sézane e Manet.