comédia

Monty Python

O pé de Cupido, utilizado em Monty Python
O pé de Cupido, utilizado em Monty Python

Ontem assisti a dois episódios da primeira temporada do Monty Python, o 1º e o 13º. Tive um pouco de dificuldade em acompanhar as piadas em inglês, apesar da legendas (também em inglês). Assisti por recomendação do nerdcast, além da indicação de uma colega.

O programa é uma comédia britânica de 1969, meio psicodélica. Eu me senti totalmente perdido, mas foi curioso 🙂

Letra e Música

Sabe aquele comercial do Estadão que avisa que as informações dos blogs não são confiáveis? Pois é. Aconteceu um pequeno mau entendido comigo. Eu vi no blog In Vino Veritas, da minha amiga Bárbara, um video excelente dos anos 80, e eu juro que quase que me convenci de ter ouvindo aquela música no meu rádio despertador na década de 80, quando eu ouvia rádio cidade em baixo da minha cabaninha que ficava no meu quarto. Eu tinha uns cinco anos de idade.

Pois é. Peguei uma comédia romântica com Drew Barrimore e Hugh Grant e eu lá o clipe que saiu no blog da Bárbara. Parecidíssimo, pensei. Um prior de remake! Que nada! Voltei no blog e o clipe está lá, com o Hugh Grant de peruca, que eu óbviamente não reconheci da primeira vez que assisti. Fiz várias pesquisas para encontrar a “música original” que teria sio gravada nos anos 80, e nada. No itunes só trazia a trilha sonora do filme e outra música com o mesmo nome, mas interpretada por Lew Stone e sua banda (um jazz ou coisa parecida).

Bem, mas a culpa não foi da Barbara não. Eu que interpretei as coisas assim. Ela em momento algum disse que o tal clipe é da década de oitenta 🙂

Em relação ao filme: me diverti bastante, como é de costume. A dupla faz um ótimo trabalho no gênero comédia romântica. Recomendo.

The General

 

A muito tempo ouvi o Marcelo Tas indicar o filme The General do Buster Keaton em uma rádio de São Paulo. Ontem resolvi conferir o filme e gostei. Esta obra influenciou muito o trabalho do Marcelo Tas, que para mim é o eterno professor Tibúrcio do programa Rá Tim Bum. Pois bem, o professor Tibúrcio foi inspirado no Buster Keaton, ator contemporâneo de Charles Chaplin.

Para quem quiser o filme está na íntegra lá no Google Video, e pode ser baixado para o seu computador 😉

Simplesmente Amor – Love Actually

Filme: comédia romântica.

Esta adorável história londrina sobre o amor é provavelmente uma das melhores comédias românticas que já vi. No mesmo nível que Diário de Bridget Jones, Simplesmente Amor mostra o mesmo estilo de humor, numa trama repleta de personagens e situações maestralmente coordenadas. Por fim, uma característica que particularmente me agrada é o fato deste filme ressaltar a cultura local sem deixar um clima cosmopolita, ao incluir um elenco multiétnico. Engraçado, romântico, políticamente correto (mas sem exageros): eu adorei!