Israel

O que Resta do Tempo

Assisti a este filme palestino agora: muito non sense. A impressão que tive é que falta uma história, falta roteiro. O filme é uma coleção de esquetes que sempre contam a mesma história: “veja como nós, palestinos, somos humilhados pelo Estado de Israel”.

Gastei duas horas do meu tempo e eu não ouvi, francamente, qual é o lado palestino 🙁

É um filme que deve fazer sucesso com o pessoal de extrema esquerda. Você sabe como é: o “povo palestino” é mais fraco que o Estado de Israel, logo eles não precisam de um bom argumento para serem defendidos.

O filme tem uma boa plástica, um cenário bonito, mas nada que justifique uma simples indicação ao Festival de Cannes. O filme é lamentável, e sua indicação ao Cannes é mais lamentável ainda.

Papéis de Parede do Oriente Médio

Uma seleção de fotos do Oriente Médio, e Londres, tiradas pela Ana Paula (e alguma por mim) em outubro de 2010. Todas as fotos tem aspecto de paisagem para se encaixar como papéis de parede.

ps: como as imagens tem boa resolução, demora um bocado para ampliar.

ps2: todas as fotos estão sob licença creative commons. Use e distribua a vontade, mas cite o autor.

Promessas de um Novo Mundo

Hoje estava conversando com amigos e me lembrei deste excelente documentario sobre o convivio entre israelense e palestinos. O diretor entrevista diversas criancas israelenses e palestinas e programa um encontro entre elas. Uma producao muito tocante, e que aborda o mesmo tema do classico do cinema frances “A Guerra dos Botoes“: a convivência entre coletividades diferentes.

Veja a sinopse no adoro cinema e este comentaria de uma blogueira anonima. Titulo original em ingles: “Promises”.

Império Mundial (De China, Europa e EUA?)

Mês que vem Hong Kong passa a ser novamente território chinês. Esse ano de 97 é muito importante para a China que deve chegar à quarta economia mundial até setembro deste ano. Quando a Inglaterra fixou colônia na pequena ilha fez dela um paraíso econômico, onde praticamente não há impostos com a intenção de convencer a China de que o capitalismo era um boa opção. O resultado é que Hong Kong tem hoje o maior porto marítimo e uma economia assustadora. De todos os países que tentaram um sistema político alternativo ao capitalismo, a China obteve maior sucesso, porque Deng Shao Ping conseguiu se fechar totalmente às outras cultura. Hoje Shao Ping esta morto, mas os três maiores homens da China ainda trabalham a favor de seus ideais. Se tudo der a China pode mesmo tomar o cobiçado lugar dos EUA de primeira nação, a pesar de que se isso realmente acontecer, eu não acredito que o domínio chinês será ignorantemente mantido quase exclusivamente em cima de acordos unilaterais e esmagamento dos concorrentes baseando-se em impostos. Essa política está mais que arcaica. A cerca de uma década um certo líder do Oriente Médio estava arrecadando fundos para reconstruir a cidade de Babilônia. Esse certo líder chama-se Saddam Hussein, e se ele acreditasse, ou conhecesse melhor a bíblia saberia que essa cidade, símbolo de um império mundial, nunca seria reconstruída. Como todos sabem veio a guerra do Golfo e todo o sonho do ditador Iraquiano caiu em terra, ou melhor, areia. Não sei se os chineses pretendem fazer algo do gênero, mas a União Européia vai sofrer muitas decepções até perceber que profecia não se discute (nunca mais se levantará um reino mundial nessa Terra).Bonaparte e Hitler já tiveram suas decepções quando tentaram usar a força, e hoje a Europa fala em reunificação baseando-se em acordos políticos, mas esses mesmos acordos são abalados a cada movimento político no velho continente. Na Inglaterra os ‘populistas’ vencem eleições, na França são os socialistas que dividem o poder desacelerando a unificação da moeda. Israelenses cobram de suíços ouro que teria sido roubado deles pelos alemães e depositados nos cofres alpinos. E por falar em Israel, você já parou para pensar no quadro religioso mundial? Em Israel a questão religiosa é com certeza mais considerada. A Roma católica já demonstrou, e vem demonstrando interesses claros na Terra Santa (como se bastassem os israelenses e palestinos).

Esse interesse se daria por interesse nos devotos israelenses, ou ainda por motivos mercantis (que quem vive para o evangelho viva do evangelho, não é mesmo?). Uma vez que Roma, na figura de João Paulo II tem um crédito enorme na política internacional, não seria muito difícil ver o pontífice mexendo os ‘pauzinhos’ tanto na EU quanto nos outros países. É bom lembrar que durante mais de um milênio a igreja prendeu o mundo ao medievalismo e que quem discordasse era queimado na fogueira, passado que não é negado por ninguém. Vale lembrar que a própria igreja errou muitas vezes. Só para efeito de exemplo, a igreja sempre defendeu que a Terra era redonda, chegando a quase matar importantes físicos.

O fato da Terra ser redonda só foi oficialmente consertado pela igreja nesta década!!? Quase 500 anos após as primeiras navegações chegarem à América. Por fim é de dar medo imaginar um acordo entre a igreja católica, judeus e os devotos maometanos. Quem as religiões criem um ‘ponto comum’ e denominem-se ecumenicamente cristão. Resta a seguinte dúvida: se a igreja cristã fixar alguma espécie de diretriz, qual será a atitude dos mais ‘devotos’? Que Deus nos acuda e não nos obrigue a agir contra nossas crenças em favor de uma igreja mundial.