jornal

Parlamentarismo no Brasil

Certa vez o cientista político Leonel Itaussú citou El Gatopardo: “é importante mudar tudo para manter tudo como está“. E citou ao se referir às mudanças institucionais ocorridas no Brasil. No Brasil as mudanças institucionais sempre foram feitas pelas elites. Foi assim com a proclamação da independência, a abolição da escravatura, a promulgação da república e tantos outors golpes e mudanças.

Minha opinião pessoal: bom.

A formação esquerdista cultiva imagens da massa se movendo gloriosamente na promoção de valores nobres, e fundando uma ordem social e econômica melhor e mais digna. Eu não consigo deixar de ver a violência rolando solta, de maneira abrupta e espalhando medo. Um medo que só se compara a magnitude dos valores gloriosos. Foi assim na importante Revolução Francesa e também foi assim nas tentativas de golpe e contra golpes ocorridos na Venezuela.

Não estou criticando os valores daqui ou dali. Estou criticando a forma violenta de promove-los.

Ontem foi formada no Senado uma frente em defesa do parlamentarismo composta por 75 parlamentares e que é coordenada pelo senador Fernando Collor (leia a notícia no jornal do senado). O sistema parlamentarista funcionou durante alguns meses no Brasil durante o curto governo de João Goulard. Segundo Fernando Limongi a instituição do parlamentarismo foi tão mau feito que algumas atribuições de Estado poderiam ser desempanhadas tanto pelo presidente quanto pelo primeiro ministro.

Mas era outra época. O parlamentarismo foi instaurado por radicais que não aceitavam o governo de João Goulard. Hoje a frente em desesa do parlamentarismo opera em clima de estabilidade institucional, e eu espero que consiga fortalecer o parlamentarismo como algo bom para o país. Curioso mesmo é a coordenação estar a cargo de Fernando Collor. Para muita gente isso é sinal de que no Brasil, nada muda. Ou melhor, muda para não mudar nada.

Minha opinião pessoal? As mudanças institucionais graduais são melhores pois causam menos traumas e permitem correções antes que catastrofes ocorram. E acho que o parlamentarismo seria um ótimo avanço institucional. Com o parlamentarismo a nossa democracia seria mais ágil.

O que você faz de diferente quando não está na frente do computador?

O Elcio Ferreira me convidou para a brincadeira que o Nando Vieira começou em seu blog. De cara eu fiquei receoso de ficar com imagem de nerd que não sai da frente o computador. Quando descobri que a Daniele Viana teve o mesmo receio que eu tive eu fiquei mais tranquilo, mesmo porque ela se saiu muito bem. Então vamos lá:

  • Eu também assisto aos episódios de Heroes, Lost e 24 Horas, todos baixados pela internet, porque a qualidade é melhor que na TV e eu controlo o horário de assistir. Assim como a Daniela, eu assisto no sofá 🙂
  • Eu gosto muito de comer, ou a frase correta seria “eu gosto de comer muito”? Eu gosto de comer salada com frango, torteloni, sashimi, gyoza e moyashi refogado com bastante shoyu. Quando estou assistindo tv eu como pão de queijo e nuggets de frango. Isso me leva a outro costume:
  • Eu faço academia umas três vezes por semana; em geral menos. Faço uma sessão chata de musculação mas o que eu gosto mesmo é das aulas de body combat da Adriane, de onde eu saio me sentindo o próprio Naruto 🙂 Eu também gostava muito de correr. Eu costuma correr sempre que me sentia confuso ou bravo com alguma situação. Desde o fim de minha adolecencia eu corria, mas depois de fazer a Meia Maratona do Rio eu fiquei com uma lesão no joelho e não consigo correr mais que 10 minutos… é avida.
  • Eu gosto muito de ouvir música. Não costumo ouvir um gênero específico. Das músicas populares, bregas mesmo, eu faço uma seleção que depois eu junto no podcast (nerds!). Mas eu gosto de classicos como Grieg, teen como a Abril, Soul como o Ray Charles e quando eu fico estressado com alguma pressão social o jeito é chamar o Ozzy Osbourne.
  • Adoro jogar poquer com os amigos. Costumo jogar na casa do meu colega Aurélio e da minha irmã Sandra.
  • Gosto de passar o tempo com duas garotas que mexem muito comigo: a Ana Paula e a Yohanah. Passear em um parque, ir ao teatro ou simplesmente jogar conversa fora.

Existem coisas que eu costumava fazer, mas que não tenho feito nos últimos meses. Mas quem sabe eu volte a fazer:

  • Eu costumava pintar óleo sobre tela e desenhar com lápis ou fusein. Até fui atrás desse desenho de 1994.
  • Eu já fiz várias tentativas de criar conteúdo. A primeira foi um jornal chamado O Arroto, que editei no IPAE. Depois disso tentei um jornal de informática no 2º grau chamado Futura, que teve 4 edições e está arquivado na biblioteca central no UNASP de Engenheiro Coelho. Fiz uma coluna chamada Antena Nikiti enquanto morei em Niterói, e depois fiquei sem fazer nada até este blog nascer.
  • Eu lia bastante livros de humanidades em geral. Fiz até um curso superior disso, ahah. Mas faz meses que eu não cultivo o hábito.

Quem eu conheço que faz blog e eu convido para a brincadeira são:

Abraços.

Literatura

Dia desses vi um anúncio da Folha de São Paulo com a promoção dos livros de literatura. Todas as quintas-feiras quem comprasse o jornal tinha a opção de adquirir um livro de literatura. Durante o comercial vários alunos repetiam como uma ladainha: “literatura todas as quintas na folha! Não dá pra não comprar, não dá pra não ler, não dá pra não aprender.” Como leitor da folha e breve-futuro-possível-vetibulando pensei: beleza! Vou comprar a folha e ainda saio com o livro. Acontece que eu sempre leio a Folha via Web, e ainda não tinha sacado a dificuldade de comprar Folha aqui em Niterói. Resultado: Melon percorrendo as bancas de jornal de Icaraí repetindo a seguinte ladaínha: “Não dá para encontrar, não dá para comprar, não dá para ler, não dá para aprender, etc…”. Pouco tempo depois soube que o Estado de São Paulo estava fazendo, por acaso, uma promoção semelhante às sextas-feiras com livros de literatura também. Ok. Como estou no Rio e eu ainda não li nem um décimo dos livros de literatura de minha mãe resolvi deixar pra lá. Agora um certo jornal carioca chamado O Globo também anunciou promoção similar. Difícil é saber quem teve a idéia inicialmente, mas não importa. No O Globo o livro sai às terças e a coleção terá 20 volumes. Acho que vou comprar. Se eu encontrar para vender, é claro. Só não sei porque esses macanudos ainda não resolveram fornecer os livros pela internet. Ia ser um tal de neguinho passar disquete pro outro copiar na casa do colega… Quem sabe essa não seja a próxima promoção da MelOnLine?!