música

Gaiola das Cabeçudas

Recebi a indicação desse video pelo Raphael no meu aniversário e resolvi compartilhar.

A maioria das pessoas que criticam o funk o fazem alegando que o ritmo musical simboliza a “falta de cultura”. Pode ser que simbolize. Mas na minha opinião o funk é só um ritmo, como qualquer outro. Você não precisa discriminar e esculhambar as pessoas que gostam. Quando eu morava em Niterói (mas isso faz um tempão) eu achava que as pessoas marginalizavam o funk porque o pessoal do funk era do morro. Quanto mais o pessoal do asfalto marginalizava o funk, mais o funk se marginalizava. Mais agressivo ficava… Não é essa a dinâmica da própria sociedade?

Provavelmente o Marcelo Adnet fez a letra dessa música pensando nesse tipo de crítica.

F.I.R.

Grupo musical F.I.R.Conheci a música de um grupo de Taiwan e achei bem legal. O nome do trio é 飞儿乐团, mas para os ocidentais eles adotam o nome F.I.R., que significa “Fairyland InReality” (Conto de fadas de verdade).

As musiquinhas são bem pop, mas na minha opinião elas tem uma certa personalidade.

我們的愛 O Nosso Amor (Wǒ Men De Ài)

música: 我們的愛 (nosso amor). O início do clipe é meio piegas porque vem de uma novelinha. A música original não tem os sons do pessoal falando na novela 🙂

你的微笑 Seu Sorriso (Ni De Wei Xiao)

Esse outro clipe é de uma música que eu acho bonitinha chamada 你的微笑 (seu sorriso).

Links: fan club do F.I.R. e F.I.R. na wikipedia.

MJ




MJ

Upload feito originalmente por [ R ] igonatti

Esta foto é um tributo do Rigonatti ao Michal Jackson.

Sou um grande fã da música dele, mas ele era um cidadão terrívelmente perturbado. Possivelmente pedófilo, o cidadão MJ representava uma possibilidade real de agressão à crianças e jovens vulneráveis. O cidadão que morreu era esta lástima. Já o artista, esse não produzia mais a arte.

O que é um artista que não produz?

Eu digo que o artista que deixa de produzir é um artista morto.

Há muito tempo perdemos o rei do pop. O que assistimos essa semana é o tombamento do seu corpo.

R.I.P.

O que você faz de diferente quando não está na frente do computador?

O Elcio Ferreira me convidou para a brincadeira que o Nando Vieira começou em seu blog. De cara eu fiquei receoso de ficar com imagem de nerd que não sai da frente o computador. Quando descobri que a Daniele Viana teve o mesmo receio que eu tive eu fiquei mais tranquilo, mesmo porque ela se saiu muito bem. Então vamos lá:

  • Eu também assisto aos episódios de Heroes, Lost e 24 Horas, todos baixados pela internet, porque a qualidade é melhor que na TV e eu controlo o horário de assistir. Assim como a Daniela, eu assisto no sofá 🙂
  • Eu gosto muito de comer, ou a frase correta seria “eu gosto de comer muito”? Eu gosto de comer salada com frango, torteloni, sashimi, gyoza e moyashi refogado com bastante shoyu. Quando estou assistindo tv eu como pão de queijo e nuggets de frango. Isso me leva a outro costume:
  • Eu faço academia umas três vezes por semana; em geral menos. Faço uma sessão chata de musculação mas o que eu gosto mesmo é das aulas de body combat da Adriane, de onde eu saio me sentindo o próprio Naruto 🙂 Eu também gostava muito de correr. Eu costuma correr sempre que me sentia confuso ou bravo com alguma situação. Desde o fim de minha adolecencia eu corria, mas depois de fazer a Meia Maratona do Rio eu fiquei com uma lesão no joelho e não consigo correr mais que 10 minutos… é avida.
  • Eu gosto muito de ouvir música. Não costumo ouvir um gênero específico. Das músicas populares, bregas mesmo, eu faço uma seleção que depois eu junto no podcast (nerds!). Mas eu gosto de classicos como Grieg, teen como a Abril, Soul como o Ray Charles e quando eu fico estressado com alguma pressão social o jeito é chamar o Ozzy Osbourne.
  • Adoro jogar poquer com os amigos. Costumo jogar na casa do meu colega Aurélio e da minha irmã Sandra.
  • Gosto de passar o tempo com duas garotas que mexem muito comigo: a Ana Paula e a Yohanah. Passear em um parque, ir ao teatro ou simplesmente jogar conversa fora.

Existem coisas que eu costumava fazer, mas que não tenho feito nos últimos meses. Mas quem sabe eu volte a fazer:

  • Eu costumava pintar óleo sobre tela e desenhar com lápis ou fusein. Até fui atrás desse desenho de 1994.
  • Eu já fiz várias tentativas de criar conteúdo. A primeira foi um jornal chamado O Arroto, que editei no IPAE. Depois disso tentei um jornal de informática no 2º grau chamado Futura, que teve 4 edições e está arquivado na biblioteca central no UNASP de Engenheiro Coelho. Fiz uma coluna chamada Antena Nikiti enquanto morei em Niterói, e depois fiquei sem fazer nada até este blog nascer.
  • Eu lia bastante livros de humanidades em geral. Fiz até um curso superior disso, ahah. Mas faz meses que eu não cultivo o hábito.

Quem eu conheço que faz blog e eu convido para a brincadeira são:

Abraços.

Avril Lavigne: the best damn thing

Se você costuma ouvir rádio ou assistir alguns minutos de algum canal de clipes você já deve ter ouvido a faixa Girlfriend deste álbum. A faixa em questão é boa, e as demais não me pareceram nada marcantes. Todas as músicas seguem o mesmo formato das outras músicas que conheço da Avril, mas achei um pouco chato ouvir o álbum todo de uma só vez: é melhor intercalar com outras músicas para não cansar.

Avril foi lançada pelo pai ou tio, não sei direito, mas ela tem um parente forte na indústria da música. O comportamento e aparência que vemos na mocinha é para lá de fabricado, assim como as músicas e ao que me parece até a voz dela, pois as aparições dela ao vivo são uma negação total. Melhor para ela seria dublar as músicas como faz a Britney, que é outra cantora de estúdio.

Mas será que ser cantor de estúdio é um problema??? O Black Eye Peas, por exemplo, é muito divertido de se ouvir, mas os show são repletos de falhas e desafinadas feias. Mas o álbum gravado em estúdio é ótimo 😉

Nina Simone

Nunca tinha ouvido Nina Simone antes, pra valer. É claro que algumas músicas, como “My Baby Just Cares For Me” eu já tinha em alguma coletânea de Jazz, mas esse álbum duplo me pareceu uma ótima apresentação à obra de Nina Simone.

Gostei especialmente das seguintes faixas: He Needs Me, Love Me Or Leave Me e Little Girl Blue.

Back To Basics

Este é o título do novo CD da Christina Aguilera, que eu tenho ouvido bastante e recomendo. Parece que neste CD ela conseguiu explorar a sua admiração por Aretha Flanklin.

Um álbum obrigatório para quem gosta de R&B. Aliás outro CD que eu também tenho ouvido bastante, até justo deste da Aguilera, é a trilha sonora do filme Ray, que por sinal é um filme muito bom.

Peças Líricas – Lyrische Stücke

Álbum de música: show ao vivo.

Belas peças escritas por Grieg para piano somente. Fazendo justiça ao nome, cada composição é carregada de lirísmo; uma ótima opção para quem gosta de piano clássico.

O álbum que possui a interpretação de Sviatoslav Richter em um concerto ao vivo de 1993, mas tive a oportunidade de ver uma excelente interpretação Arthur Rubinstein.